Oito livros essenciais após a leitura de “Os cinco convites”

12 de abril de 2018 | por André Sequeira

A morte como despertar, de Rajiv Parti

A narrativa de um médico que enfrentou uma experiência de quase morte (EQM), episódio em que um paciente, durante uma operação e sob o efeito da anestesia, sai do próprio corpo. Algo como se sua alma estivesse assistindo ao procedimento. Para abrir a mente dos leitores e os deixarem suscetíveis a algo que transcende o mundo real, o médico abriu seu coração e narrou os momentos mais importantes de sua vida.

 

O poder, de Rhonda Byrne 

Mundialmente conhecida por O segredo, o novo livro De Rhonda Byrne surgiu das histórias de superação enviadas a ela pelos leitores, que mostravam as diversas dificuldades enfrentadas em seus respectivos cotidianos. A partir destas descobertas nasceu o conhecimento capaz de transformar vidas em um instante. Segundo a autora, não existem cem forças positivas diferentes na vida – apenas uma, o amor.

 

A morte na visão do espiritismo, de Alexandre Caldini Neto

O autor apresenta o que aprendeu em mais de trinta anos de estudo da filosofia espírita, mostrando como lidar melhor com a perda das pessoas queridas. Além disso, auxilia o leitor na compreensão do próprio processo de morte. Afinal, ele afirma, assim como nascer, morrer é apenas uma etapa da vida.

 

A última grande lição, de Mitch Albom

Este livro é o resultado de quatorze encontros entre o autor Mitch Albom e seu mestre e professor da faculdade Morrie Schwartz. Durante essas reuniões, um pouco antes da morte do tutor, eles debateram temas fundamentais para a realização humana, como o amor, o medo e a morte.

 

O último sopro de vida, de Paul Kalanithi

O médico e autor deste livro, Paul Kalanithi, foi diagnosticado com um câncer incurável. Neurocirurgião de sucesso, de repente ele se percebeu do outro lado da mesa: o de paciente. E agora? O último sopro de vida narra sua trajetória ao longo do tratamento e a tentativa de compreender a difícil relação entre vida e morte. No fim, a pergunta que fica é: afinal, o que faz a vida valer a pena?

 

A roda da vida, de Elisabeth Kübler-Ross

A médica Elisabeth Kübler-Ross ficou famosa por mudar a forma como o mundo enxerga o fim da vida. Neste emocionante relato, ela conta sua história e aprofunda a verdade final: a morte não existe. Em uma cultura que trata a morte como tabu, ela desafiou o senso comum ao debater e expor a etapa final da existência para que não as pessoas não tivessem mais medo dela.

 

Antes de dizer adeus, de Susan Spencer-Wendel

Após o diagnóstico terrível de uma doença incurável – esclerose lateral amiotrófica, a autora Susan Spencer, jornalista de sucesso e mãe de três filhos, decidiu encarar seus últimos dias de forma diferente da maioria das pessoas. Em vez de se submeter a vários tratamentos somente para adiar o fim certo, ela escolheu estar ao lado das pessoas que ama, aproveitando todo o tempo para construir uma rede de lembranças felizes para os amigos e familiares.

 

Giane: Vida, arte e luta, de Guilherme Fiuza

Nesta obra emocionante e cativante, o ator Reynaldo Gianecchini fala da vida e do momento da descoberta de um câncer. Ele conta como, para surpresa própria, encarou a iminência da morte de forma serena e bastante corajosa. Hoje, passada a época do tratamento, ele enxerga a morte de maneira distinta, como se fosse apenas uma etapa.

 

Leia mais sobre o livro Os cinco convites.

 

 

TAGS:

Conteúdo Relacionado

Seis conselhos importantes de Rhonda Byrne em “O poder”