A incrível jornada de um cientista brasileiro até a NASA

9 de abril de 2018 | por André Sequeira

Quando somos crianças, imaginamos que, no futuro, teremos profissões grandiosas. Não que qualquer trabalho não seja de grande importância, mas poucos jovenzinhos pensam em ser médicos, economistas, jornalistas ou escritores. Eles querem algo desafiador e que venha sempre com desafios enormes e muita fantasia.

Na época em que a Fórmula 1 era programa certo nas manhãs de domingo, quantos não sonharam em ser Ayrton Senna? Pilotar carros velozes e ganhar troféus seria demais, não? Outros só querem jogar futebol para um dia tornarem-se Romários, Ronaldos, Neymares, Messis e Coutinhos. Cientista era outra profissão muito desejada pelas crianças, ainda mais com os programas infantis de televisão, que sempre trazem personalidades divertidas e com habilidade para desenvolver várias fórmulas, entre elas, a tinta invisibilizadora.

Contudo, talvez o maior desejo de todos seja tornar-se um funcionário da NASA, a agência do governo dos Estados Unidos que cuida da pesquisa e do desenvolvimento de tecnologias e programas de exploração espacial. Ser astronauta seria o ápice, mas ser colaborador da empresa já valeria muito. Imagina, então, ser contratado como cientista de uma das missões mais importantes da história da Humanidade?

Ivair Gontijo diante do veículo que ajudou a construir e pousar em Marte. (Cortesia NASA/JPL-Caltech)

Foi exatamente o que alcançou Ivair Gontijo, brasileiro que, hoje, é um dos membros mais confiáveis do quadro de funcionários da NASA. Ele fez parte da equipe responsável pela construção do coração do radar usado na descida triunfal em Marte em 2012.

Gontijo tem uma história incrível, um exemplo de que todos nós podemos e devemos sonhar com qualquer coisa. Nascido no interior de Minas Gerais, é filho de uma família numerosa, e viu uma televisão pela primeira vez em 1969, durante a transmissão da chegada do homem à Lua. Apesar desse fato ter marcado sua vida, ele afirma não ter certeza se foi decisivo na escolha da sua carreira na agência estadunidense.

Formado num colégio agrícola humilde, trabalhou numa fazenda sem luz elétrica. Algum tempo depois, mesmo com muitas opiniões contrárias, resolveu pedir demissão e prestar vestibular para Física. A partir daí, a carreira deslanchou. Possui um Mestrado, Doutorado e dois pós-docs. Quase todos os cursos foram realizados no exterior.

Simulação em computador do momento em que o veículo toca o solo marciano.

Depois de anos de experiência e ter passado por muitas histórias e viagens espaciais, Ivair Gontijo decidiu narrar sua trajetória. O resultado é a obra A caminho de Marte. Nele, além de sua biografia, Ivair abre o jogo e conta mais do que os leitores podem imaginar. Ele fala, obviamente, de todos os preparativos para a viagem exploratória à Marte, além das grandes viagens espaciais feitas até hoje. A diferença aqui é que todas as informações vem de alguém que há anos está no coração da NASA.

Para aqueles ávidos por conhecimentos e notícias a respeito do planeta vermelho, o livro é um prato cheio. Gontijo faz uma análise completa do local, inclusive com as coordenadas geográficas de muitas regiões essenciais. O cientista aborda o que os americanos esperam conseguir com tais missões, o porquê delas ocorrerem, o que seria possível ser feito lá a favor da civilização terrestre. Também debate por que este é o único planeta do Sistema Solar que gera esperança nos cientistas e engenheiros de todo o planeta.

Numa das partes mais curiosas da obra, um assunto que sempre causa reações exacerbadas quando trazido à tona ganha espaço: a vida em outro planeta. Seria possível? Gontijo, até por estar inserido na NASA, analisa sem parcialidade e expõe motivos reais para responder tal pergunta.

A caminho de Marte é sério, realista e intimista. Uma de suas maiores virtudes é ser a todo momento verdadeiro quanto a todos os assuntos abordados. Ao mesmo tempo, é engraçado e incrivelmente emocionante. O leitor viajará por essas páginas como um astronauta rumo ao destino mais distante do Universo. Se você duvida, convido que entre nessa nave e viva de perto uma das experiências mais incríveis já relatadas.

TAGS:

Conteúdo Relacionado

Seis conselhos importantes de Rhonda Byrne em “O poder”