Seis aprendizados sobre o coração

20 de fevereiro de 2018 | por André Sequeira

O culpado por continuarmos a fumar mesmo sabendo dos males

A culpa é da nicotina. Em pequenas doses, ela promove a liberação de adrenalina, que, sendo o hormônio do estresse, nos deixa em alerta e suprime a fome e aumenta a atenção. O problema é o efeito colateral: liberação da dopamina no cérebro, hormônio responsável pela sensação de prazer.

 

A importância de parar de fumar o quanto antes

Após seis meses do último cigarro, o risco de infarto cai em 50%. Mais seis meses, a chance de uma morte em decorrência do tabagismo é apenas metade do que era logo depois do último trago. Quem consegue parar de vez, após quinze anos sem um cigarro, o risco de infarto é o mesmo de um não fumante.

 

A importância do amor

A paixão e a felicidade são alguns dos sentimentos mais gostosos e intensos do ser humano. Um dos efeitos no coração é que os hormônios da alegria e da lealdade contribuem para a saúde cardíaca. Para melhorar, cientistas da Universidade da Califórnia descobriram que os batimentos cardíacos dos casais batem em sincronia quando os dois apaixonados se sentam um diante do outro e se olham nos olhos.

 

O sexo como remédio para o coração

A prática frequente de sexo é uma excelente maneira de diminuir o estresse, melhorar o condicionamento físico e, claro, se divertir. Devido aos hormônios liberados durante a relação sexual, quem pratica regularmente tem risco muito menor de sofrer infartos fatais do miocárdio.

 

A relevância das vacinas

As vacinas são imprescindíveis, ainda mais se a pessoa tiver doenças preexistentes, como diabetes ou doenças cardiovasculares. Por ter o sistema imunológico mais frágil, ela pode desenvolver uma infecção e desencadear complicações, como uma miocardite. As vacinas protegem não só o coração e outros órgãos de infecções graves, mas também tornam o mundo um lugar mais seguro para todos.

 

Exercício é fundamental

Diversos estudos provam que a prática regular de esporte diminui o risco de morte prematura causada por doença cardiovascular. Fora isso, quem se exercita é mais tolerante ao estresse, o que proporciona maior tranquilidade ao coração. Não existe um esporte certo ou errado, o importante é encontrar aquele que dará prazer a você e o fará você sair de casa para praticá-lo.

 

Saiba mais em Coração: Manual do proprietário, de Johannes Hinrich von Borstel

TAGS:

Conteúdo Relacionado

Seis conselhos importantes de Rhonda Byrne em “O poder”