Entenda seu coração e seja feliz

8 de fevereiro de 2018 | por André Sequeira

O coração é o órgão mais importante do corpo humano e, talvez, o mais complexo também. Sua compreensão é difícil tanto se analisado o campo médico quanto o emocional. Será que uma doença cardíaca pode afetar o lado emocional de uma pessoa? Será que um coração partido ou uma angústia enorme pode desencadear uma moléstia?

Invariavelmente, nos deparamos com trabalhos que tentam explicar o coração e suas reações. Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector e Fabrício Carpinejar, por exemplo, o abordam sistematicamente em seus textos, e relacionam suas batidas às emoções do dia a dia, como o término de relacionamento, a esperança de ser correspondido ou a perda de um ente querido.

Por outro lado, diversos especialistas publicam livros que dissecam o coração e todas as suas partes e doenças que podem ser geradas por ele. Claro que, na grande maioria das vezes, de maneira didática e com foco em pessoas já ambientadas ao tema.

Apesar de ser reconhecidamente difícil compreender este órgão caso a pessoa não seja um conhecedor, muitos leitores reclamam da falta de obras no mercado que ajude os leigos a entendê-lo melhor. Assim como fez Peter Wohlleben em A vida secreta das árvores ao desbravar o Reino Vegetal e seus segredos para aproximá-lo de todas as pessoas, Johannes Hinrich von Borstel faz o mesmo com o coração em Coração: manual do proprietário. Dessa forma, vai reunir num mesmo local as questões concretas, como as médicas, e as abstratas, como o sofrimento por amor.

Um dos grandes trunfos do autor é conscientizar o leitor – está aí a vantagem em abordar o tema de maneira divertida – de que todos precisam cuidar do coração com muito carinho, alimentando-se bem, praticando exercício e deixando de lado os vícios. Tudo sem ser taxativo sobre o que é certo ou errado, mas sim, relacionando os mecanismos de funcionamento do órgão e as consequências sobre o mau uso dele, com dicas concretas e casos já enfrentados pelo próprio Johannes na sua vida profissional.

Coração: manual do proprietário desmistifica a cultura de que estar com o corpo sarado e com a pele de porcelana seja obrigatório para que a saúde esteja boa. Claro que se exercitar é fundamental, mas nunca como uma obsessão. O importante é se sentir bem e se perceber atraente para as pessoas. Estar feliz é essencial para a boa condição cardíaca.

Um dos pontos que mais me chamou a atenção se refere ao fato do escritor explicar o funcionamento do órgão, nos apresentar cada parte dele, mas em momento algum deixar a monotonia tomar conta. Muito pelo contrário. Este é o caminho adotado para que nos tornemos íntimos, pela primeira vez, de nosso coração e, assim, que cuidemos dele de forma consciente. Para nos conscientizar, o autor não prega que algo simplesmente faz mal e que precisamos mudar de vida. Ele esclarece os motivos, pondera com exemplos do seu dia a dia e deixa a decisão final nas mãos dos leitores.

Além disso, cuidar do coração não é sinônimo de uma vida repleta de regras e tédio. Para contrapor esta ideia, quase que unânime entre as pessoas, Johannes mostra a importância do amor e os benefícios da liberação dos hormônios da felicidade e da lealdade, assim como a relevância da prática regular de sexo. Este não cura uma condição preexistente, mas é o melhor remédio para prevenir uma doença cardiovascular, além de fortalecer o sistema imunológico e diminuir o risco de inflamações em todo o corpo. São ou não são sinais de que vale a pena cuidar do coração?

Com vocabulário acessível e repleto de histórias do autor como paramédico na Alemanha, a obra chega para, finalmente, esclarecer as dúvidas sobre a importância de um coração saudável e deixar todos nós mais fortes e saudáveis para enfrentar o mundo.

TAGS: