A busca do autoconhecimento por meio de São João

22 de janeiro de 2018 | por André Sequeira

A fé é um dos assuntos mais complexos para serem debatidos. Como abordar um tema no qual as pessoas acreditam sem comprovação alguma? Diferentemente de discutir fatos históricos, estatísticas e dicas de empreendedorismo, cada indivíduo tem suas crenças e a própria maneira de abordar a fé.

A fé está sempre comigo, mas confesso não ser um praticante regular de uma religião, no meu caso, a católica. Tenho meus períodos de maior dedicação e, também, aqueles em que deixo um pouco de lado as idas à Igreja e a leitura sobre o tema. Isso ocorre por diversas razões, mas uma delas é referente ao fato de, em muitas ocasiões, sentir-me perdido diante de tanta informação e diferentes visões sobre o assunto. Para suprir esta deficiência, procuro sempre pesquisar por autores que falem de forma fácil e acessível sobre Deus e em maneiras para melhorar, pessoal e profissionalmente, com tais ensinamentos. Aliás, O homem mais inteligente da história, de Augusto Cury, foi um dos que mais me ajudaram nos últimos anos.

Assim como acontece comigo, imagino que muitas outras pessoas sofram para saber o que ler quando precisam aprender mais sobre o assunto.

Ao longo dos tempos, diversos especialistas e religiosos tentam desvendar todos os segredos do Cristianismo e compreender por completo os fatos já conhecidos. Para isso, muitas obras literárias são lançadas anualmente, seja de não ficção seja de ficção – quem não se lembra de A Cabana, de William P. Young, e O código Da Vinci e Anjos e demônios, de Dan Brown. Muitos dos títulos, inclusive, servem como mapas que visam o empoderamento pessoal. Neste caso, temos ótimos exemplos, como os livros de Pedro Siqueira, As mentiras que nos contaram sobre Deus, também de William P. Young, O caminho da luz, de Padre Alexandre Paciolli, A morte como despertar, de Rajiv Parti.

Todas as obras citadas acima foram materiais importantíssimos para que eu compreendesse melhor o legado de Deus e atingisse um equilíbrio interno de forma rápida e consciente. Contudo, quando eu pensei saber muito sobre o tema e que já ter visto maneiras suficientes de abordagem, eis que me deparo com A revelação, de C. Baxter Kruger.

Lançado em janeiro de 2018 no Brasil, o novo trabalho do autor de De volta à cabana traz como protagonistas São João e o teólogo Aidan, que imaginava conhecer tudo a respeito das religiões.

A trama começa com Aidan transportado de volta no tempo até Patmos – ilha grega no Mar Egeu onde João foi exilado. Por parecer loucura da cabeça dele, o teólogo, inicialmente, nega todas as palavras dita pelo apóstolo ao encontrá-lo. Porém, com o desenrolar desta longa conversa ao longo de três dias, ele verá que não existe o impossível para aquele que vive por meio da fé.

Durante bate-papo, os dois personagens trocam muitas experiências – cada um sobre seu tempo – e ambos se impressionam. Aidan, por descobrir fatos não relatados nas escrituras de milênios atrás, como os “bastidores” da vida dos apóstolos e os reais significados dos textos de João; já o evangelista, por saber qual caminho a Igreja tomou nesses últimos dois mil anos e como os seguidores de Jesus são vistos no século XXI.

João é um dos quatro evangelistas do Novo Testamento, com três obras importantes: o Quarto Evangelho, o Livro do Apocalipse e as três epístolas dirigida aos cristãos. Foi o mais jovem discípulo de Jesus. Era pescador e, possivelmente, trabalhava com Pedro e André. Quando se juntou ao grupo tinha por volta de 20 anos. Apesar de jovem, João demonstrava uma fé inabalável. Antes de ser discípulo do filho de Deus, foi discípulo de João Batista, de quem recebeu o batismo. Os evangelhos referem-se a João como ”o apóstolo que Jesus amava”.

A revelação tem muitos méritos, entre eles, o fato de ensinar a todos que somos apenas alunos nesta vida, um dos maiores erros que sempre cometemos. Neste debate entre o evangelista e o teólogo, é interessante perceber como vamos, nós leitores, assim como os personagens, evoluindo a cada página lida e a cada tema debatido. Desafio o leitor que se aventure nesta história instigante criada por C. Baxter Kruger e que saiba mais sobre uma dos maiores personalidades de todos os tempos: São João.

TAGS:

Conteúdo Relacionado

Seis conselhos importantes de Rhonda Byrne em “O poder”