Três lições de empreendedorismo com a história da Reserva

8 de janeiro de 2018 | por Editora Sextante

Toda história de empreendedorismo traz lições valiosas e dicas importantes para quem pretende trilhar por esse caminho, mas a saga da Reserva, narrada no livro Rebeldes têm asas, é uma aventura de inovação e criatividade que conta como a marca de roupas surgiu e cresceu ignorando regras e se arriscando.

A Reserva nasceu quando os amigos de infância Rony Meisler e Fernando Sigal perceberam que todos em uma academia de ginástica usavam a mesma bermuda sem graça e decidiram criar uma peça diferente, em que estava estampado: “Seja você mesmo, mas nem sempre o mesmo”. Todas foram vendidas.

Em Rebeldes têm asas, escrito por Rony, CEO da Reserva, e o jornalista Sergio Pugliese, é possível aprender um pouco mais sobre como empreender com criatividade. Pensando nisso, extraímos três dicas essenciais do livro.

 

1. Encare cada erro como um novo aprendizado

Perto carnaval de 2014, o coordenador de arte da marca Use Huck, que foi uma parceria da holding da Reserva com o apresentador Luciano Huck, virou a noite aplicando artes de estampas em fotografias de modelos para uma pequena coleção de carnaval.

Como a marca tinha muitas estampas todos os meses, os modelos não eram fotografados com as camisas da marca: as estampas eram aplicadas em fotos de pessoas com modelos básicos. Só que nesse dia, o coordenador de arte se atrapalhou e colocou uma estampa em que estava escrito “Vem nimim que eu tô facim” na camisa de uma criança.

O erro foi removido em menos de duas horas, mas a repercussão negativa foi devastadora para a marca e também para a imagem de Huck. Os empresários decidiram encerrar a marca Use Huck, mas utilizaram esse erro como um aprendizado.

O diretor da Use Huck, Pedro Cardoso, não foi demitido e pouco depois sugeriu uma forma de aproveitar a estrutura e o estoque da Use Huck para assumir lojas de camisetas de canais do YouTube e parceiros que vão da página de Facebook Desimpedidos até o cartunista Ziraldo.

É como o próprio Luciano Huck, que continua sócio da holding, afirma no livro: “Na reserva, o erro é aprendizado”.

 

2. Abra o olho para oportunidades

Quando Rony e Fernando notaram cinco pessoas malhando com exatamente a mesma bermuda em uma academia de ginástica, brincaram que aquilo era uma demanda reprimida, pois haviam poucas marcas oferecendo produtos para aquele público.

Os dois tiveram a ideia de desenhar uma bermuda diferente, que seria uma foto em 360° da praia de Ipanema. Mas, por causa de alguns obstáculos na produção da peça, mudaram a estampa para a frase: “Seja sempre você mesmo, mas nem sempre o mesmo”, inspirados por Gabriel, o Pensador. A aventura foi um sucesso e nascia ali a Reserva.

No livro, o autor escolheu uma famosa citação do ex-primeiro ministro inglês Winston Churchil para expressar esse pensamento:  “O pessimista vê dificuldades em cada oportunidade. O otimista vê oportunidade em cada dificuldade”.  

 

3. Não tenha medo de inovar

A história de empreendedorismo da Reserva é feita de erros e acertos, como em qualquer empresa. Mas muitos negócios acabam estagnados porque perdem o fôlego para inovar, seja pelo medo de errar de novo ou pela conformidade alcançada com um sucesso relativo.

Em Rebeldes têm asas, Rony conta como não se pode ter medo de inovar. Ele diz que um dos seus maiores arrependimentos foi, ao concorrer em uma vaga para desfilar no Fashion Rio, montar um projeto alinhado com expectativas de mercado, mas diferente daquilo que ele gostaria de usar e do que via nas ruas.

O projeto foi recusado e Rony chorou de raiva. Depois disso, decidiu não ir mais contra a sua personalidade e nunca deixar de arriscar. Também prometeu que na próxima oportunidade de se inscrever para o Fashion Rio faria do seu jeito e seria aprovado. Dito e feito: seis meses depois, a Reserva foi aprovada e estreava no circuito de moda nacional.

Quer aprender mais lições de empreendedorismo e conhecer a história da Reserva em detalhes? Leia Rebeldes têm asas, de Rony Meisler e Sergio Pugliese.

TAGS:

Conteúdo Relacionado

Seis conselhos importantes de Rhonda Byrne em “O poder”