Cinco ensinamentos do mestre zen-budista Haemin Sunim

19 de dezembro de 2017 | por André Sequeira

O limite entre a mente e o mundo é ilusório

A realidade não é objetivamente alegre ou triste para produzir um sentimento correspondente nas pessoas. Segundo o mestre, os sentimentos se originam da projeção e da experiência subjetiva da nossa mente no mundo. Este mundo não é uma coisa ou outra, ele apenas é. Quando analisamos tudo à nossa volta enxergamos apenas uma pequena parte limitada com a qual a mente se importa. Assim, aquilo em que a mente presta atenção se torna o mundo de cada um.

 

Observe o sentimento em silêncio

Nunca tente mudar uma emoção. Ela se transformará sozinha. Sentimentos nascem de uma matriz de condições que estão além do controle das pessoas. Eles estão apenas de passagem em nossas vidas e, se observarmos com paciência e sabedoria, eles irão embora como nuvens no céu. Caso escolha por levá-los a sério, você os internalizará como parte de sua identidade e irá ressuscitá-los sempre que lembrar do passado. Dessa forma, o sofrimento é certo.

 

A arte de manter um relacionamento

Uma relação em que as duas pessoas são muito próximas e não constroem um espaço pessoal logo parecerá uma prisão. Devido ao provável esgotamento mútuo, será fácil deixar de valorizar o relacionamento e se ressentir para falta de privacidade e independência. O segredo é encontrar um equilíbrio, dando atenção, também, a familiares, amigos e atividades individuais.

 

Não espere do próximo o que você imagina ser certo

As experiências de cada um são variadas, assim como as personalidades, os hábitos, os valores e os pensamentos. Portanto, o modo como algumas pessoas veem certas questões pode ser o oposto de outras. E, quando as coisas saem sempre como você quer, você, possivelmente, se tornará arrogante.

 

Nem todos precisam gostar de você

Se você não tem apreço por todos à sua volta, por que eles deveriam amá-lo incondicionalmente? Não se atormente com isso. Aceite esta situação como um fato da vida, pois se já é difícil entendermos nossos sentimentos, imagina os de terceiros. Se alguém não gosta de você, deixe que essa pessoa tenha a própria opinião. Siga em frente sempre.

 

Conheça o livro As coisas que você só vê quando desacelera:

TAGS:

Conteúdo Relacionado

Seis conselhos importantes de Rhonda Byrne em “O poder”