Como vencer gigantes

23 de agosto de 2017 | por Editora Sextante

Gigantes criados por nós mesmos

Golias parou e gritou para as tropas israelitas. “Por que saíram todos para lutar? Eu sou filisteu, e vocês são servos de Saul. Escolham um homem para vir aqui e lutar comigo!”
1 Samuel 17:8

Existem gigantes que não podemos evitar. Alguns até almejamos enfrentar, como os desafios de uma velhice saudável em vez de uma morte prematura. Então, sabendo que envelheceremos, podemos nos preparar para essa fase da vida. Ao contrário desses “gigantes obrigatórios” – dificuldades que surgem espontaneamente em nosso caminho –, alguns problemas só existem porque os criamos ou imaginamos.

Gigantes evitáveis – Pense na guerra entre Israel e os filisteus. Talvez, com negociações de paz mais eficientes ou diplomatas mais competentes, os dois lados pudessem ter evitado o confronto. O que queremos mostrar é: a história de Davi começa com a guerra entre os dois povos, mas talvez ela pudesse ter sido evitada. Pare por alguns momentos e pense em quantos cenários de guerra ainda não estão configurados, mas germinando; quantos gigantes ainda estão do tamanho de um menino, mas crescendo.

Nossa capacidade de negociar e chegar a acordos pode evitar guerras. Conhecer o inimigo, buscar informações e saber mais a respeito do seu opositor é mais fácil que enfrentá-lo. Na medida do possível, convença seu inimigo a entrar em um acordo. Quantas pessoas não criam problemas para si mesmas por decidirem agir sem dados ou reflexões suficientes? Saber com quem você está lidando é essencial para poupar-se de confrontos que podem ser evitados e para resolver os problemas enquanto eles são pequenos.

Além disso, se é bom saber se há um Golias do outro lado, também é importante descobrir pessoas talentosas no próprio exército. Pode ser que exista um Davi entre seus soldados e, por falta de liderança e atenção, você não lhe dê a chance de lutar ao seu lado.

Buscar a paz e ter boa vontade são atitudes inteligentes e construtivas. O conselho dos Salmos em relação a esse assunto é claro: “Afaste-se do mal e faça o bem; busque a paz e esforce-se para mantê-la” (Salmos 34:14). Paulo segue o mesmo caminho: “Nunca paguem mal com o mal. Pensem sempre em fazer o que é melhor aos olhos de todos. No que depender de vocês, vivam em paz com todos” (Romanos 12:17-18).

Pode ser que exista um Davi entre seus soldados e, por falta de liderança e atenção, você não lhe dê a chance de lutar ao seu lado.

Gigantes criados – Veja o termo “gigantes” como referência a desafios ou problemas. Muitos dos gigantes que enfrentamos são criados por nós mesmos. Por exemplo, todo mundo sabe que o consumo de cigarros aumenta potencialmente o risco de câncer, mas mesmo assim muitas pessoas insistem em fumar. Isso também acontece com alguém que experimenta uma droga pela primeira vez; ou que começa a participar de apostas; ou que envereda por um relacionamento extraconjugal. Da mesma forma, alguém que relaxa com sua saúde, com a administração da empresa ou a gestão da carreira também está criando um gigante. Todas essas pessoas estão preparando – ou, pelo menos, deixando de evitar – uma guerra. Quem age assim prepara o terreno para o exército inimigo. Estão fazendo com que o vale adiante não seja um lugar de descanso, mas de combate. Em suma, estão criando os próprios Golias.

Esta é uma das lições mais importantes deste livro: algumas das batalhas que enfrentamos são alimentadas por nós mesmos. São germinadas em nossos próprios quintais. Muitos gigantes são criados, e eles podem ser bons ou ruins. Os ruins fomentam nossa destruição, como acontece quando negligenciamos nossa saúde, os relacionamentos, as finanças, etc.

Em oposição a isso, também podemos criar gigantes bondosos, que nos serão úteis. Dentro dessa categoria, temos nossos gigantes internos, como a nossa reputação (Provérbios 22:1), e nossos gigantes externos, que são as pessoas a quem nos associamos e empoderamos.

Imagine que você é Saul: todos esperam que você lute contra Golias. Afinal, você é o mais alto oficial do exército (1 Samuel 9:1-2) e o rei de Israel. Se você não quer lutar, ou não tem condições, nada melhor do que encontrar alguém que o faça. Muitos líderes não encontram seu Davi porque não sabem ouvir. Porém Saul ouviu Davi e acabou permitindo que ele lutasse contra o enorme filisteu. Tomada essa decisão, o rei procurou dar ao jovem o equipamento necessário para o combate.

Saul, mesmo sem saber, estava criando um gigante útil. Davi se transformou em um líder brilhante, uma inspiração para seu povo. Se você buscar, achará gigantes do bem prontos ou em preparação em muitos lugares.

Gigantes imaginários – Algumas das preocupações que nos atormentam nunca chegam a se concretizar. Você já parou para pensar nisso? Ficamos paralisados, ansiosos e desesperados diante de obstáculos que na verdade não existem. Tenha uma vida correta e sóbria para evitar os gigantes desnecessários, mas não perca sua paz imaginando tragédias. O melhor conselho a esse respeito veio de Jesus: “Portanto, não se preocupe com o amanhã, pois o amanhã trará suas próprias inquietações. Bastam para hoje os problemas deste dia” (Mateus 6:34).

 

ATIRE A PEDRA!

• Cuidado com os gigantes que você cria, inclusive os imaginários.

• Algumas guerras e determinadas barreiras são alimentadas por nós mesmos.

• Saiba identificar os “Davis” em seu exército.

• Devemos buscar a paz sempre que possível, evitando conflitos.