O passo a passo definitivo para você criar um diário em tópicos (que vai mudar a sua vida!)

31 de julho de 2017 | por Caio Soares

É melhor que uma agenda convencional. Mais organizado do que fazer anotações soltas. E ainda serve para registrar o seu dia a dia, acompanhar as tarefas, organizar sua rotina e planejar o futuro. O diário em tópicos, também chamado de Bullet Journal® (ou BuJo®, para os íntimos), foi criado pelo designer norte-americano Ryder Carroll e é um verdadeiro fenômeno nas redes sociais, com milhares de seguidores, postagens e muita criatividade.

Ponto de equilíbrio entre um diário, agenda e lista de tarefas, o diário em tópicos parece complicado, mas é uma técnica adaptável e está em constante evolução. O importante aqui é entender as poucas regras do sistema e criar um mecanismo que funcione para você! Veja o passo a passo da autora Rachel Wilkerson Miller para a criação de um diário em tópicos que, garantimos, irá mudar a forma como você organiza a sua vida e registra as coisas que realmente importam, além de liberar o escritor que existe dentro de cada um.

 

Mas o que é exatamente um diário em tópicos?

É um sistema para registrar num único caderno todas as coisas que você deseja se lembrar: as que quer ou precisa fazer, as que já fez, e seus pensamentos e observações sobre todos os aspectos da vida (trabalho, casa, relacionamentos, passatempos, etc.). Quando escrever em seu diário (que pode ser qualquer caderno de que você goste), você deve anotar tudo com palavras/expressões curtas (em vez de escrever frases completas) e marcar cada item com um símbolo simples (o principal é um pontinho) para classificar as informações e encontrá-las facilmente depois. Além desses símbolos, você também poderá usar alguns métodos básicos de organização: datas, números de página, títulos, tópicos/categorias e um índice.

 

Entendi! Gostei do conceito e já quero começar a fazer o meu. Como fazer?

Tudo começa com um caderno novo. Esse caderno pode ter páginas brancas, pautadas, quadriculadas ou com uma malha pontilhada ou com pontos. Aqui, o mais importante é não ter nenhum tipo de texto impresso que diga o que você precisa fazer e onde escrever. A razão para o diário em tópicos ser tão interessante é que, apesar de oferecer uma estrutura para organizar seus pensamentos, é você quem decide como quer que ele seja e funcione.

 

Passo 1: O índice

Comprado o caderno, o primeiro passo é criar um índice. O índice costuma ser a primeira página criada no diário. Como o sumário de um livro comum, ele é uma lista de todos os assuntos/tópicos e as páginas onde eles aparecem. Assim, toda vez que escrever algo importante que precisará consultar depois, você deve incluir no índice o assunto e o número da página correspondente. Uma característica importante do diário em tópicos é que todas as páginas são numeradas. Se o caderno não veio assim, basta você mesmo numerar. Ao acrescentar esse menu no seu caderno, você não precisa ficar procurando em qual página está o que. Não é preciso colocar tudo no índice, mas vale a pena acrescentar listas específicas, eventos, calendários mensais e ideias que sabe que consultará depois. Esses itens podem ser específicos ou abrangentes (lembre-se, você tem a liberdade de montar o seu caderno como quiser!)

 

Passo 2: As páginas do futuro

Depois de criar o índice, você dedicará algumas páginas ao ano (ou mês) que se inicia. Essas são as chamadas “páginas do futuro”, ou, “calendário” na linguagem dos diários em tópicos. A página do futuro é um lugar para anotar grandes eventos, prazos e compromissos importantes, aniversários e planejamento de longo prazo. Lembre-se de checar os planejamentos mensais, semanais e diários para deixar as páginas do futuro sempre atualizadas.

 

Passo 3: O planejamento mensal

Depois de preparar sua página do futuro, é o momento de se concentrar na sequência de todo planejamento anual: o planejamento mensal. A ideia aqui é visualizar o mês por inteiro e ter uma noção do que cada dia te reserva. Ao priorizar as tarefas mensais no seu diário em tópicos, você consegue enxergar com facilidade quais tarefas devem ser esquecidas, quais devem ser feitas nos próximos meses ou quais devem esperar por um tempo. Novamente, não existem regras: o importante é adaptar o caderno às suas necessidades. Crie uma página para o mês atual, a chamada “Log do Mês”. Insira os números dos dias nesta mesma página e, ao lado, as iniciais dos dias da semana. Na página ao lado desta, você pode criar uma lista com as principais tarefas que precisa fazer naquele mês. Quando começar a preparar seu diário, crie somente a página mensal do mês corrente. Ou seja, se estiver começando seu diário em tópicos em agosto, faça apenas a página mensal de agosto. No fim do mês, crie a página mensal de setembro e transfira para ela as tarefas inacabadas de agosto.

 

Passo 4: A diagramação semanal

As páginas semanais estão ficando cada vez mais populares entre os usuários do método, principalmente para quem busca um acompanhamento mais detalhado da rotina, além de uma visão geral dos seus compromissos. Trabalhar com foco nas semanais pode ser uma excelente opção para quem não quer criar uma página nova toda manhã. De uma maneira simples, as páginas semanais são compostas de um calendário semanal, mais a lista de coisas que você precisa fazer nessa semana, além das coisas que esqueceu ou não conseguiu fazer na semana passada. Aqui é o momento de deixar a sua criatividade correr solta! Você pode se surpreender com a quantidade de informações que cabe em uma ou duas páginas quando usamos o espaço de forma criativa.

 

Passo 5: Listas diárias

Um dos méritos do bullet journal é oferecer uma organização visual das etapas necessárias para alcançar seus objetivos. Por isso, o próximo passo é criar listas diárias de tarefas e objetivos. Agora, é a hora de criar o “Log do dia”. Em cada dia, você pode inserir os compromissos e as tarefas que precisam ser feitas naquele dia (as coisas que você fez e/ou precisa fazer hoje, além de outras observações). As entradas diárias são feitas com breves frases dispostas em tópicos, e acompanhadas de símbolos.

 

Mas, quais são esses símbolos?

Os símbolos são os elementos que transformam o diário efetivamente em um diário com tópicos. É um dos grandes diferenciais em relação aos demais sistemas de organização que temos. Cada bullet é diferenciado e identificado no sistema pela sua natureza. Cada tarefa é representada por um ponto e, dependendo do status ou tipo, ganha outro símbolo. Rachel Wilkerson Miller escolheu os seguintes símbolos para ilustrar as entradas nas listas:

Pontinho (‘•’) para listar as tarefas. Ex: compras no mercado, enviar pedidos no Correios, etc.

Menor que (<): o coloque em cima do pontinho para mostrar que a tarefa foi agendada em um dia específico

Maior que (>): mostra que a tarefa “migrou” para outra data — ou seja, você não a cumpriu hoje/ esta semana/este mês e a deslocou para a lista de outro dia/ semana/mês.

Acento circunflexo (^) sobre o pontinho quando iniciar uma tarefa.

Travessão (―) para ideias, pensamentos, notas, observações rápidas ou eventos menores.

Quadradinho vazio para marcar grandes eventos (compromissos, aniversários, reuniões etc.).

Um traço em cima de qualquer item que não seja mais relevante.

 

E a parte do diário?

De certa forma, o diário em tópicos não deixa de ser um diário convencional. Se você adora a ideia de fazer um diário, mas nunca sabe direito o que escrever quando está diante da folha em branco, criar uma página com uma lista de inspirações pode ajudar. Se você tem dificuldades em escrever todos os dias, experimente organizar suas notas por semana, ou até por mês. Para isso, deixe um espaço adequado quando for criar a diagramação de suas páginas. Aqui, o importante é e tirar as ideias da cabeça! Um queridinho dos usuários dos diários em tópicos é o log da gratidão, uma página onde você escreve sobre as coisas pelas quais é grata todos os dias. Você pode montá-lo como o log do mês: escreva os dias do mês um abaixo do outro e a sua ‘gratidão do dia’ ao lado da respectiva data.

Em um primeiro momento, o diário em tópicos não é uma técnica fácil ou intuitiva. Mesmo assim, foi adotada por milhares de pessoas. Por quê? Para Rachel, a resposta está na sensação de estar fazendo algo novo:

“O aspecto mais fundamental do diário em tópicos é o ‘faça você mesmo’ — ou seja, cada um faz de um jeito diferente e não há regras de verdade. Era exatamente o que eu não sabia de que precisava: um espaço único que reunia minhas listas de afazeres, ajudava a me organizar, servia de válvula de escape criativa e me lembrava dos tempos em que eu anotava todos os meus pensamentos.”

Então, o que você está esperando para começar o seu diário em tópicos? Mãos (e canetas) às obras, e deixe a criatividade fluir!

 

Conheça o livro Diário em tópicos, de Rachel Wilkerson Miller:

TAGS: