A mágica da arrumação

25 de julho de 2017 | por Editora Sextante

Coloque a casa em ordem e descubra o que realmente quer fazer

A primeira tarefa oficial que recebi na educa..o infantil foi “organizar”. Lembro-me desse dia como se fosse hoje. Todos torceram para serem designados para alimentar os animais da escola ou regar as plantas, mas quando a professora perguntou quem queria ser o responsável pela organização da sala de aula, ninguém além de mim levantou a mão. Você deve imaginar que eu passava os dias feliz da vida organizando a sala, os armários e as prateleiras.

Quando conto essa história, as pessoas costumam dizer: “Você é muito sortuda por ter descoberto o que queria fazer tão cedo.” Na verdade, só recentemente compreendi meu gosto pela organização. Nunca havia me dado conta de que esse era um traço importante para mim. Eu havia esquecido da felicidade que senti ao ficar responsável pela arrumação na época da escola. Quinze anos depois, essa lembrança me veio à cabeça enquanto arrumava meu quarto. Foi então que tomei consciência de que tinha interesse nessa área desde a infância.

Procure se lembrar da época da escola e das coisas que gostava de fazer. Talvez você gostasse de desenhar, de cuidar dos animais, de escrever. Seja o que for, são grandes as chances de que tenha alguma coisa a ver com o que você faz atualmente. Em essência, as coisas de que gostamos não mudam com o passar do tempo. Colocar a casa em ordem é uma excelente forma de descobrir quais são nossas paixões.

Uma das minhas clientes era minha amiga desde a época da faculdade. Logo que se formou, foi trabalhar numa grande empresa de TI. Quando ajudei-a a organizar a sua casa, ela enfim descobriu o que realmente amava fazer. Ao terminar a arrumação, ela olhou para a estante e percebeu que só tinham ficado os livros sobre bem-estar social. Os livros que havia comprado para aperfeiçoar suas habilidades administrativas após entrar no mercado de trabalho tinham sido descartados. Olhando para aquilo, lembrou-se do serviço voluntário de babá que fizera muitos anos antes e percebeu que desejava contribuir para a construção de uma sociedade em que as mães pudessem trabalhar sem se preocupar com os filhos. Tomando consciência de sua paixão pela primeira vez, dedicou o ano seguinte a estudar serviço social, depois pediu demissão e abriu uma empresa de serviços de babá.

“Quando coloquei a casa em ordem, descobri o que queria fazer de verdade.” Ouço estas palavras com incrível frequência. Para a maioria dos meus clientes, a experiência de organizar o lar resulta num envolvimento maior com seu trabalho. Alguns abrem o próprio negócio, outros mudam de emprego e ainda há os que aprofundam o interesse na profissão. Muitos deles também ficam mais envolvidos com a casa e a família. A consciência daquilo que amam aumenta, o que resulta numa vida muito mais estimulante.

Embora possamos conhecer a nós mesmos refletindo sobre nossas características e ouvindo o que as pessoas pensam de nós, acredito que a melhor ferramenta de autoconhecimento é a organização de nossas coisas. Afinal, nossos pertences descrevem com precisão o histórico das decisões que tomamos na vida. Organizar é um modo de fazer um inventário que nos faz ver aquilo de que realmente gostamos.