Muito mais Mauricio de Sousa [Parte 2]

18 de junho de 2017 | por Caio Soares

Leia aqui a parte 1.

Considerado o maior desenhista brasileiro e uma das figuras mais importantes da ilustração mundial, Mauricio de Sousa trilhou uma trajetória única ao longo dos 81 anos de vida. O menino que saiu do interior de São Paulo para buscar o sonho de ser ilustrador possui diversas histórias e curiosidades nas seis décadas que atua como artista profissional. Separamos mais algumas curiosidades sobre a carreira de Mauricio, além de histórias reveladoras sobre o surgimento e características de alguns dos personagens mais icônicos da Turma da Mônica.

11- O embrião da revistinha da Turma da Mônica como conhecemos hoje surgiu no fim de 1964. O Jornalzinho da Mônica sairia aos domingos junto com a Folhinha de S.Paulo e teria divertimentos, como o jogo dos sete erros, além das histórias criadas por Mauricio. Apesar do grande sucesso, a MSP demorou para emplacar uma revistinha individual. A revista da turma da Mônica só foi ser publicada no começo de 1970, pela Editora Abril, com 200 mil exemplares de tiragem inicial.

12- O trabalho em larga escala e a necessidade de economizar tempo forçaram Mauricio a realizar alterações curiosas nas características iniciais de alguns personagens. Cebolinha era meio cabeludo nas primeiras tiras, e Mauricio foi cortando o cabelo aos poucos até chegar ao corte atual com os cinco fios. O personagem também é o único com sapatos. “Aprendi que desenhar o contorno dos sapatos indicar a cor que eu queria exigia um tempo maior do que eu tinha. Passei semanas, talvez meses, esperando manifestações dos leitores, mas nunca aconteceu”.

13- Durante 1972 e 1973 Mauricio morou em Campinas após um período trágico onde acabou perdendo Vera, sua segunda mulher, vítima de um acidente de carro. Na casa no tranquilo bairro de Cambuí, Mauricio tinha vista para casas, árvores do parque e alguns edifícios. A paisagem acabou sendo eternizada nos quadrinhos como a principal inspiração para o bairro do Limoeiro, onde mora a Turma da Mônica.

14- Mauricio também se aventurou pelo mundo da animação. Durante os anos 80, o estúdio Black & White & Color chegou a ter mais de 100 funcionários de diferentes partes do continente e se tornou o maior do gênero da América Latina. As Aventuras da Turma da Mônica teve um investimento total de 100 milhões de cruzeiros (R$ 6 milhões) e estreou no fim de 1982 e um público estimado em 4 milhões de pessoas. O Estúdio produziu mais quatro filmes de sucesso na década, mas Maurício só voltou a lançar uma animação em 2006, com a Turma da Mônica em uma aventura no tempo.

15- Em 1982, o gibi da Mônica já existia há 12 anos, o do Cebolinha há quase 10 e o do Pelezinho completava 5 anos de banca. Apesar dos incríveis números de vendas, Mauricio foi pressionado pela Abril para criar mais duas revistas com os personagens da Turma. O primeiro escolhido foi Cascão, sempre muito popular entre as crianças. Porém, para a outra revista, Mauricio tomou uma decisão arriscada e colocou Chico Bento como protagonista, com uma unidade própria e pegada diferente das outras. “Nos anos 1980, já com um Brasil muito mais urbano do que rural, não deixava de ser romântica a ideia de uma revista dedicada a um garoto que usava chapéu de palha, morava entre vacas e galinhas e furtava goiaba no pomar”.

16- Até 1983, depois de 20 anos de existência, o coelhinho da Mônica ainda não tinha nome. Mauricio promoveu um concurso cultural que teve 63 finalistas para dar nome ao coelhinho. No final, a vitória coube a uma garotinha de Ribeirão Preto, Roberta Carpi, que sugeriu o nome Sansão.

17- Bem-relacionado e sempre solícito aos parceiros comerciais e amigos, Mauricio ajudou a construir a história de uma jovem cantora e apresentadora de TV do Sul do país contratada pela Globo em 1986 após surgir na extinta rede Manchete. Atendendo ao pedido do amigo e sócio Pelé, Mauricio desenhou o cenário do Xou da Xuxa e prestou assessoria à apresentadora na exploração do mundo do merchandising.

18- A última personagem do elenco principal da Turma da Mônica a ter uma revista própria foi a Magali. O primeiro número foi lançado em 1989, e Mingau, o gato da protagonista, foi batizado por uma menina de oito anos em outro concurso promovido por Mauricio.

Mauricio com suas filhas Mariangela (que inspirou a Maria Cebolinha), Mônica e Magali.

19- Mauricio de Sousa não cria ou desenha a maioria das histórias há mais de 20 anos.  Pode parecer uma revelação espantosa, mas o ilustrador garante que isso é normal no mundo do desenho. “O trabalho de quase todo estúdio sempre foi coletivo. Por trás da minha assinatura sempre houve um bom time”, garante.

20- Apesar de uma trajetória indiscutivelmente de sucesso, alguns projetos de Mauricio não foram para frente. Em 1990, o ilustrador criou uma versão infantil dos Beatles e lutou muito para conseguir a autorização de Paul McCartney, Ringo Starr, George Harrison e Yoko Ono, viúva de John Lennon. O projeto não vingou pois uma das pessoas do grupo foi contra. Até hoje ninguém sabe quem foi.  Projetos envolvendo jogadores de futebol como Maradona e Ronaldo também não foram adiante, apesar da vontade de todos os envolvidos

TAGS: