Histórias que deram o que falar [Parte 3]

7 de maio de 2017 | por Nana Vaz de Castro

Velcro e Post-It, duas boas ideias que colaram

Dois casos famosos de invenções nascidas onde menos se espera

Em 1941 o engenheiro suíço George de Mestral passeava com seu cachorro pelos Alpes quando percebeu que pequenas sementes de bardana grudavam na sua roupa e nos pelos do seu cão.

O que não passava de um incômodo virou uma inspiração. Olhando mais de perto, ele observou uma pequena pérola da engenharia da natureza: a planta ficava presa graças a um sistema de minúsculos ganchos, que se conectam às pequenas argolas presentes em superfícies como cabelos, pelos ou roupas.

De Mestral reproduziu o esquema de micro argolas e ganchos na sua oficina, dando origem ao Velcro, cujo nome vem de duas palavras francesas: velours (veludo) + crochet (gancho). De lá para cá, o Velcro se espalhou por diversas indústrias, tornando-se parte indispensável da vida moderna.

Assim como o Velcro, o Post-it é uma invenção que se popularizou tremendamente. Olhe em volta agora, é bem possível que você veja um dos famosos papeizinhos amarelos presos em alguma parede, pasta ou livro.

A história do Post-it é um famoso caso sobre colaboração entre equipes. Ele foi criado nos anos 1970 dentro de uma grande empresa que promove justamente a invenção de novos produtos, a 3M.

Foi assim: Spencer Silver, um cientista da 3M, inventou um adesivo fraquinho, que prendia, mas era fácil de soltar. Uma vez inventada essa cola pouco eficaz, Silver não soube bem o que fazer com ela, e por cinco anos ficou tentando encontrar uma utilidade para sua invenção.

Foi Arthur Fry, outro cientista da 3M, que encontrou a solução para aquele problema, de uma forma inusitada. Fry cantava no coro de sua igreja, e sua pasta de partituras era cheia de papeizinhos para marcar trechos nas músicas. No entanto, bastava virar as páginas para que os papéis caíssem todos. Foi nesse contexto sagrado e musical que Fry se lembrou da cola de baixa aderência de seu colega Silver. Pediu uma amostra e começou a fazer testes com pequenos papéis.

Em 1980 a 3M colocou os primeiros blocos de Post-It à venda no mercado americano. O sucesso foi imediato, e hoje em dia bilhões de folhas de Post-It são vendidas todos os anos.

Essas duas histórias são ótimas para ilustrar como a criatividade e a inovação não são exclusivas de gênios, pessoas nascidas com dons excepcionais. Muito mais que isso, insights são possíveis para qualquer um que tenha os olhos bem abertos para enxergar oportunidades.

Livros que citam as Histórias que deram o que falar:
O Mundo em Infográficos
Mistakes that worked, de Charlotte Jones
Iconic Designs: 50 Stories about 50 Things, de Grace Lees-Maffei

TAGS: