Metanoia para vencer a crise

7 de maio de 2017 | por Melissa Lopes

O livro de Roberto Tranjan traz uma história cheia de ensinamentos e que poderia acontecer em qualquer organização. Lucas é um empresário que precisa lidar com alguns dos problemas que mais afetam os líderes de hoje: funcionários desmotivados, queda nas vendas e gestores incapazes de acompanhar as inovações. Quando ele conhece a figura inspiradora do líder educador, começa a refletir sobre seu próprio papel e a questionar suas práticas de gestão.

Para escrever o livro, Roberto Adami Tranjan inspirou-se nos exemplos de pessoas reais que administraram bem uma organização de sucesso por motivar a equipe, dialogar com clientes e colaboradores e diferenciar-se, criando seu lugar único no mercado.

Combinando esses insights com sua vasta experiência empresarial, ele desenvolveu um modelo de liderança chamado Metanoia, ou seja, expansão da consciência, que envolve um processo de educação empresarial inovador e de alto impacto com o propósito de construir empresas éticas, humanas e prósperas.

Este modelo, ilustrado pela história de Lucas de forma bastante didática, já foi replicado por várias empresas, com resultados excelentes. Como aconteceu com Lucas, a Metanoia desafia as pessoas – sejam gerentes, diretores ou executivos – a rever conceitos e romper com o velho modelo mental sobre seu papel de líder, ao perceber que, de fato, o capital humano é o maior ativo de qualquer empreendimento.

Tranjan, que também atua como educador e conferencista, é formado em economia e pós-graduado em administração de empresas. Com sua visão ampla, ele considera o atual momento de crise econômica no Brasil uma oportunidade de mudança para melhor.

Sextante: Como você enxerga o momento econômico atual do Brasil?
Tranjan: Existe a economia e existe o mercado. Não são a mesma coisa. A economia é conduzida por políticas: monetária, cambial, de crédito e dos juros, fiscal e salarial. É uma ciência que muitas vezes sofre interferência, nem sempre positiva, da política. É ao que estamos assistindo hoje. Mas o mercado é maior do que a economia. O mercado representa o conjunto de necessidades, anseios e desejos das pessoas. Essas demandas nunca cessam e estão prementes o tempo todo. Não existe demanda zero. A economia, por mais recessiva, não consegue freá-la. O mercado possui força própria e funciona com base na lei da oferta e da demanda, tão natural quanto a lei da gravidade. Por isso, o melhor a fazer agora é se ater mais ao mercado e menos à economia.

Sextante: De que maneira as lições de Metanoia podem ajudar líderes e empresários a superar a crise?
Tranjan: As empresas estão de costas para o mercado. Em tempo de crise, isso se acentua muito. Empresas e pessoas ficam mais autocentradas do que nunca. A melhor saída é estreitar bastante a relação com o cliente. Ligar-se nele. Ajudá-lo a sair da crise.
As lições de Metanoia ensinam, por meio da Rota do Ouro, o percurso que precisa ser feito para essa aproximação e conexão constante e verdadeira, não episódica nem oportunista, com o cliente.

“O mercado possui força própria e funciona com base na lei da oferta e da demanda, tão natural quanto a lei da gravidade.”

Sextante: Com a alta do desemprego, muitos gestores podem achar que está mais fácil reter seus melhores colaboradores. O que você diria a eles?
Tranjan: Reter colaboradores não é o desafio mais importante do gestor. O que mais importa, em tempo de vacas gordas ou magras, é conquistar a devoção dos colaboradores. Entenda por devoção o compromisso psicoemocional. Este, sim, será sempre uma moeda forte em qualquer conjuntura econômica. Tal compromisso é transferido ao cliente na forma de serviço e excelência e ele responde com gratidão.

Sextante: Algum conselho para quem está procurando emprego ou recolocação profissional?
Tranjan: Quem procura emprego muitas vezes está mais preocupado com o próprio sustento do que com o trabalho em si. Emprego é meio, trabalho é fim. É através do trabalho que geramos riquezas. Então, nossa atenção deve estar no trabalho, não no emprego. Emprego remete a pensar no que “eu vou ganhar com isso”. Trabalho implica focar-se no que deve ser feito para contribuir com a geração de riquezas.

Sextante: E para quem está receoso de pedir aumento ou tentar uma promoção?
Tranjan: É importante lembrar sempre que quem paga a conta do aumento ou da promoção é o cliente. Pensar nele, em como satisfazer suas necessidades ou em como fazê-lo mais feliz e fidelizado, é o melhor respaldo para pedir aumento ou tentar uma promoção.

TAGS: