5 lições que você aprende com “A marca da vitória”, de Phil Knight

7 de maio de 2017 | por André Sequeira

A marca da vitória é marcante e, por meio da história de vida do criador da Nike, apresenta mensagens fundamentais sobre empreendedorismo, economia, empoderamento empresarial, entre muitas outras. Veja abaixo 5 lições fornecidas por Phil Knight e sua equipe.

1. A possibilidade de fracasso é real, mas não invencível

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima.

Talvez este seja o principal aprendizado desta autobiografia. Sim, Phil Knight teve medo de que o negócio não desse certo, seja na época em que era apenas representante da Tiger nos Estados Unidos, seja no começo da Nike. Porém, este sentimento nunca o fez se apavorar ou retroceder, muito pelo contrário. Knight fez da confiança seu maior aliado. Para empreender, é fundamental ter os pés no chão, mas nunca como sinônimo de medo.

2. Os erros são parte natural do processo

Yep!

Desde os anos na Blue Ribbon – primeiro nome da empresa que viria a se tornar Nike –, Phil Knight e sua apaixonada equipe cometeram erros, normal para todos os empresários, ainda mais para aqueles de primeira viagem. Por exemplo: um dos primeiros modelos de tênis criados, por erro de estratégia, desfazia-se no meio das provas de corrida. Este fato poderia ter acabado com a imagem da empresa, ainda não tão conhecida na época. A diferença é que eles não se abateram, reconheceram o erro e evitaram que ele ocorresse novamente. Como as pessoas confiaram novamente na Nike? Paixão de quem a representa no mercado, sentimento abordado mais abaixo.

3. Recrutamento de qualidade é essencial

Contratar a pessoa certa para o cargo certo é uma das etapas mais difíceis em qualquer empresa. Imagina para aquela que está começando? A análise de um bom candidato vai além do estudo de currículos, mas sim, da percepção e do feeling do gestor. Em muitas ocasiões, uma conversa de 30 minutos basta para ele saber o necessário de um possível funcionário. Neste quesito, Phil Knight era brilhante. Muitas pessoas que trabalharam por anos com ele foram contratadas sem as melhores credenciais. Contudo, a competência foi comprovada na prática.

4. Os envolvidos precisam acreditar no negócio

Após a contratação dos profissionais que o gestor acredita serem os melhores para cada posição, é essencial que estes sintam-se parte do negócio e que acreditem no sucesso do produto oferecido. Neste quesito, Phil Knight, inconscientemente em muitas ocasiões, foi infalível. Bastava um minuto ao seu lado ou ao lado dos seus funcionários mais graduados para que todos ficassem eufóricos quanto à empresa. Isso valia, inclusive, para os atletas que recebiam ofertas de patrocínio, como Lebron James. Em um dos encontros com Phil, o jogador de basquete deu um relógio Rolex modelo 1972 – ano oficial de criação da Nike – e mandou gravar: “Obrigado por apostar em mim”.

5. O produto precisa ser confiável

Equipe competente e apaixonada, orçamento estabelecido, contas equilibradas. Tudo isso é essencial em qualquer negócio. Contudo, nada será totalmente relevante se o produto não for de qualidade. O negócio pode ser rentável por um tempo, mas ao longo dos anos, sem um produto de bom nível – e isso engloba desde um calçado até um serviço – a médio/longo prazo o fracasso é quase certo. Esta questão foi sempre uma das maiores preocupações de Phil Knight: ele não queria um bom tênis, ele queria o melhor, ele queria esta na frente das grandes, como a Puma e, principalmente, a Adidas.

Conheça o livro A marca da vitória.

TAGS: